Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Redemption

Muito sobre nada! Ou nada sobre muito! Depende sempre da perspectiva de quem lê!!!!

Redemption

Twin Peaks...Really???

Vi o 2.º episódio de Twin Peaks e nem sei o que diga!

Se achei o 1.º episódio parado então este é indescritível!

Parecia que estava a ver um filme do Manuel de Oliveira....imagens paradas...diálogos lentos...quase sem conexão....

Por momentos pensei que me estava a dar um raio de um AVC!

Eu vi os episódios das temporadas anteriores no final do ano passado, portanto a história está bem presente na minha memória! Por isso não sei como é possível ainda não ter apanhado nada desta nova temporada!

O que raio se passa?

David Lynch no seu estado mais puro? Quer-me parecer que sim!

Claro que não vou deixar de ver e vou insistir até à exaustão!

 

American Gods - Série de culto

Li há pouco tempo que ia estrear a série "American Gods" baseada no livro de Neil Gaiman!

Já há muito que queria ler o livro e aproveitei para o fazer!

Ontem vi o 1.º episódio da série...deixem que vos diga...está fantástica!

Super colada ao livro!

Não é uma série fácil (o livro também não o é!) e primeiro estranha-se mas rapidamente se entranha!

A série é focada em Shadow Moon, um homem que cumpre três anos de prisão. Faltando poucos dias até o fim de sua sentença, Shadow acaba sendo libertado inesperadamente depois que sua amada esposa, Laura, morre. Posteriormente, Shadow encontra-se ao lado de um homem chamado Wednesday, que lhe oferece um emprego. Em primeira instância, Wednesday parece ser nada mais que um trapaceiro que precisa de Shadow como guarda-costas. Wednesday anda  pelos EUA, reunindo todos os velhos deuses, que agora se incorporaram na vida americana, para enfrentar os novos deuses, incluindo os relacionados a comunicação social e tecnologia, que estão se fortalecendo.

Espreitem aqui o trailer!

 

Sonhar ou não sonhar, eis a questão

Por norma não me lembro sequer se sonho. Posso dizer mesmo que se passam meses sem me lembrar de um único sonho!

Mas  esta noite tive um sonho/pesadelo muito muito mau!

Sonhei que quando acordei tinha uma mulher assassinada lá em casa. E, convencida que tinha sido eu a mata-la resolvi esconder o corpo. Estava tresloucada. 

Entretanto a minha mãe e a minha irmã aparecem lá em casa e eu fechei o quarto onde tinha escondido o corpo, à chave. Elas queriam lá entrar, mas eu não deixava. 

De repente comecei a ouvir as sirenes da policia...invadiram-me a casa...e levaram-me presa!

Mas a perícia descobriu que não podia ter sido eu a mata-la...já não sei qual foi o argumento deles...mas eu estava inocente!

O meu único crime foi ter escondido o corpo!

Tenho que vos dizer que acordei em pânico, a tremer...pois o raio do pesadelo pareceu tão mas tão real! E para cumulo lembra-me de tudo!

Agora, pensam vocês, ela anda com tendências homicidas...mas cá para mim é fruto de muitos livros policiais que eu ando a ler!

Depois ontem vi um episódio da série Taboo (não sei se já falei desta série por aqui...mas se não falei deixem que vos diga que não sabem o que estão a perder!) e passou-se uma cena idêntica. Alguém acordou e viu um corpo morto e pensou que tinha sido ele a matar!

Mas quer o pesadelo quer o pós acordar foram horríveis!

E porque raio eu quis esconder o corpo? Senhores e senhoras psicólogas...estão à vontade para explorar esta faceta da minha personalidade! 

 

Legion, da Marvel

Comecei a ver a série Legion....e ó pá...nem sei...acho que primeiro estranha-se e espero bem quer a seguir se entranhe!

imagem retirada da internet

 Legion é um homem, David Haller, e é uma espécie de visita ao lado adocicado do psicadelismo e da esquizofrenia – até deixar de o ser. O seu ponto de vista é também o do espectador, e é a perspectiva de um poderosíssimo mutante que não está sob a alçada do patriarca e organizador do grupo de mutantes conhecidos como X-Men, Charles Xavier.

A sua companheira de viagem (Rachel Keller) tem o nome cósmico de Syd Barrett, como o mítico membro dos Pink Floyd, e conhecem-se num hospital psiquiátrico chamado Clockworks, como na Laranja Mecânica de Stanley Kubrick que muito influenciou os autores da nova série televisiva. Haller é parente de uma figura importante dos X-Men, mas como a adaptação do comic não é directa não se arriscam spoilers; também não é “preciso” ter conhecimentos deste universo para ver a série, ela parece querer ser muito mais um drama psicológico do que uma cartilha de um universo nerd expandido; sobre se haverá cruzamento com personagens já conhecidas, os produtores não confirmam nem desmentem. Mas Haller, portanto, pensa que é esquizofrénico até que, numa delirante estafeta entre o que é real ou não ao longo da primeira hora dos oito episódios previstos, deixa de negar que é de facto - aquela palavra tão X-Men – um mutante.