Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Redemption

Muito sobre nada! Ou nada sobre muito! Depende sempre da perspectiva de quem lê!!!!

Redemption

Muito sobre nada! Ou nada sobre muito! Depende sempre da perspectiva de quem lê!!!!

Um homem chamado Ove

31
Jan17

Eram 2h30m quando fechei o tablet e desliguei a luz.

Nas últimas 30 páginas as lágrimas caiam-me pelo rosto descontroladamente!

Não consegui parar de ler "Um homem chamado Ove", de Fredrik Backman!

Se quiserem espreitar o livro podem sempre descarrega-lo aqui "Um homem chamado Ove".

Sinopse:

Sucesso de vendas na Suécia, uma história divertida e emocionante sobre como uma única pessoa pode mudar a vida de outras e ter sua própria vida mudada por elas.
Ove tem cinquenta e nove anos e não gosta muito das pessoas. Afinal, hoje em dia ninguém mais sabe trocar um pneu, escrever à mão ou usar uma chave de fenda.
Ninguém mais quer trabalhar e assumir responsabilidades. Todo mundo é jovem, usa calça justa e só quer saber de internet. Para Ove, uma sociedade em que tudo se resume a computadores e café instantâneo só pode dececiona-lo.

Como se isso não bastasse, a única pessoa que ele amava faleceu. Sem sua esposa, a vida de Ove perdeu a cor e o sentido. Meses depois, ele toma uma decisão: vai dar fim à própria vida. No entanto, cada uma de suas tentativas é frustrada por algum vizinho incompetente que precisa de ajuda. Mas, quando uma estranha família se muda para a casa ao lado, Ove aos poucos passa a encarar o mundo de outra forma.

Um romance comovente que mostra como amor e bondade podem ser encontrados nos lugares mais inesperados.

 

É realmente um bonito romance e uma prova em como vivemos por vezes tão embrenhados nas nossas rotinas diárias que nos esquecemos de viver, no real sentido da palavra!

Aqui vos deixo um extrato que me tocou particularmente:

A morte é algo bastante notável. As pessoas vivem a vida inteira como se ela não existisse e, no entanto, ela é um dos maiores motivos para se viver a maior parte do tempo. Alguns de nós ficam já desde cedo tão cientes da sua existência que vivemos com mais intensidade, mais teimosia, mais fúria. Outros precisam da sua presença constante para ao menos se dar conta de como é a vida. Alguns ficam tão ocupados com ela que sentam na sala de espera muito antes de ela ter anunciado sua chegada. Nós a tememos, e mesmo assim a maioria de nós tem mais medo que ela atinja outra pessoa do que a nós mesmos. Porque o maior medo com relação à morte é sempre que ela vá passar batida por nós. E nos deixar sozinhos. As pessoas sempre diziam que Ove era “amargo”. Mas ele não era amargo, porra. Ele só não ficava andando por aí sorrindo o tempo todo. Tinham de tratá-lo como um criminoso só por causa disso? Ove realmente achava que não. Mas existe algo que se quebra dentro de alguém quando enterra a única pessoa que o entendia. Não há tempo que cure esse tipo de ferida. E o tempo é algo notável. A maioria de nós vive só para o que está diante de nós. Alguns dias, algumas semanas, alguns anos. Um dos momentos mais angustiantes na vida de qualquer pessoa é provavelmente o dia em que se percebe ter chegado a uma idade em que há mais tempo olhando para trás do que para a frente. E, quando o tempo não está mais diante da gente, é preciso encontrar outras coisas pelas quais se possa viver. As memórias, talvez. As tardes ao sol com a mão de alguém apertada contra a sua. O perfume de canteiros recém-floridos. Domingos num café. Até netos. Encontra-se um jeito de viver para o futuro de outra pessoa. E não é que Ove também tenha morrido quando Sonja o deixou. Ele só parou de viver. A tristeza é algo notável.

Fins e inicios

30
Jan17

Terminei de ler o "Labirinto dos Espíritos" do Carlos Ruiz Zafón. Fiquei completamente rendida à escrita, à magia das palavras e à riqueza das inúmeras histórias que se interligam! 

Já antes de o acabar tinha pensado no que queria ler a seguir. Andava com um livro debaixo de olho, desde que li no blog da Sra. Magda Pais a sua opinião sobre "Um Homem Chamado Ove" de Fredrik Bakman!

Mas não comprei o livro, descarreguei o ebook! Afinal não posso comprar todos os livros que quero ler!

 

E deixem que vos diga...estou a adorar a sua leitura! O Ove é tão desumanamente humano que só me apetece abraçá-lo!

Este fim-de-semana também comecei a ver a série Twin Peaks que já deu em 1990, mas que nunca segui!

 

 

Do meu fim de semana

30
Jan17

Mais um fim de semana de calma e relax!

Bem sei que digo que são os meus preferidos mas chego ao fim a pensar que poderia ter feito algo mais produtivo, que podia ter vivido mais!

No sábado de manhã rumei ao Porto para ir à consulta de psicologia de grupo.

De um grupo de 6 só aparecemos 2! O que até foi bom. O outro participante teve que sair mais cedo e eu aproveitei para ter uma consulta individual. E estava mesmo a precisar!

É que desde que o marido foi embora que a minha cabeça tem sido assombrada por fantasmas...é que posso estar magra mas a minha cabeça continua a pensar como um obeso!

Adoro a solidão mas não lido nada bem com ela! É que para a minha cabeça eu estou sempre a ser abandonada! (coitadinha de mim, bem sei!) E essa sensação de abandono leva-me a pensar na comida como um reconforto, como um substituto de quem me abandonou! Dou por mim a procurar receitas hiper mega calóricas, a pensar em ir ao supermercado comprar os ingredientes...dou por mim a imaginar fazer essas receitas...e imagino-me a comer uma colher dessa sobremesa e a ficar imediatamente enjoada! (sim, desde que fui operada os doces deixam-me enjoada e não me caem nada bem!)

Eu sei racionalmente que não fui abandonada, que o meu marido foi em trabalho e há-de regressar, mas emocionalmente é como me sinto!

É tudo fruto da ansiedade, tenho que me abstrair! 

Levei forte e feio nas orelhas...que tenho mesmo que ir para o ginásio. Musculação...musculação...e mais musculação!

Que tenho que fazer caminhadas pois o cardio é o melhor ansiolotico. Que se eu não fizer vai ter que me passar comprimidos, e não há necessidade para tal!

Raios partam a minha cabeça e me metam algum juízo lá dentro!

Perguntam vocês...se calhar não tens tempo para ir ao ginásio! Mas a verdade verdadinha é que tenho!

O Mini Me à 3.ª, 4.ª, 5.ª e 6.ª tem atividades o que me deixa a mim liberta para ir 1 hora ao ginásio! Mas quem me obriga a ir ao ginásio com o frio que está...com a chuva...com o vento...com mil e uma desculpas que invento??????

E assim tem sido desde há 2 meses...pago o ginásio e não ponho lá os pés!

Coincidência das coincidências...depois de sair da psicóloga recebo uma mensagem do ginásio a perguntar por mim! 

Vamos ver se ganho juizo, se começo agora em fevereiro a ir pelo menos 2 vezes por semana e a fazer caminhadas nos outros 2 dias!

 

Recordar velhos tempos

26
Jan17

Depois da aula de bateria, o Mini Me chegou a casa a perguntar se eu conhecia bandas como o Iron Maiden!

Se eu conhecia os Iron Maiden?? Então ele não sabe que a mãe é uma rockeira e o pai um metaleiro?

Claro que sim, Iron Maiden...Manowar...Metallica...Black Sabbath...Megadeth...

Estivemos depois no YouTube a ver e ouvir essas musicas e ele ficou admirado....primeiro com as musicas...e depois com o estilo que eles tinham! 

Já me pediu para descarregar estas musicas para o MP4!

Tenho um metaleiro em casa! 

E agora para recordar aqui vos deixo Iron Maiden - Fear of the dark!

 

 

Tarte de amêndoa

25
Jan17

Tal como disse neste post dois-em-um, na 2.ª feira foi o dia da tarte!

Nada melhor para comemorar uma efeméride tão importante que por mãos à obra e fazer uma tarte!

A escolhida foi a tarte de Amêndoa! 

Enquanto estava no forno aproveitei para ler mais umas páginas do "Labirinto dos Espíritos".

Diz quem a comeu que estava uma delicia...de comer e chorar por mais! 

New Phototastic Collage.jpg

 

Ás páginas tantas diz o sábio do Fermín:

 Aprender a diferençar entre a razão por que fazemos as coisas e a razão por que dizemos fazê-lo é o primeiro passo para nos conhecermos a nós mesmos.

 

Dia péssimo/noite agitada?

25
Jan17

Tive uma noite péssima reflexo do dia de trabalho péssimo que tive!

O trabalho correu mal, chateie-me e ainda fiquei mal por ter feito um favor a um colega!

À noite custou-me a adormecer, levei a noite a acordar e o pouco que dormi sentia-me agitada!

Há dias e noites assim!

O bom da noite foi ter conseguido falar com o marido.

Já chegou, já reclamou do calor excessivo que por lá se faz sentir e que não há como fugir dos mosquitos!

Quando me perguntou como tinha sido o meu dia não tive coragem de lhe contar que tinha sido péssimo! Para que preocupa-lo estando ele tão longe e por causa de algo que hoje ou amanhã já passou? Foi o meu pensamento!

Mais que a saudade da distancia física é a saudade de conversar com ele, de contar-lhe os meus dias! 

Better days will come!

Aqui fica a banda sonora para o dia de hoje!

 

E tu? Qual é a tua posição preferida...para ler?

24
Jan17

Cada pessoa tem as suas taras e manias!

No que se refere à leitura também não há excepções!

Há quem prefira ler livros em papel há quem prefira os ebooks!

Eu cá prefiro livros em papel...adoro sentir o cheiro da impressão e do papel!

Mas também já me rendi ao ebook! Fácil de transportar e milhares de leituras grátis à nossa espera!

Por exemplo, a minha posição preferida para ler é:

 

Adoro ler na cama mas quando os livros são enormes e pesados, como o "Labirinto dos Espíritos", torna-se doloroso! Ele é o pulso que começa a doer...ele é o braço...começa tudo a ficar dormente! Nestas situações um ebook resolveria o problema!

Outro problema de ler na cama é que o sono vem mais depressa e ao fim de meia duzia de paginas o João Pestana reclama a minha presença!

Logo a seguir vem....

 

Ler no belo do meu sofá! Adoro passar horas a ler no sofá! Aqui não me dá o sono e consigo ler durante mais tempo (isto se tiver sozinha em casa, entenda-se!) 

É importante para a leitura onde se lê? É e não é! Para ler gosto de me sentir confortável mas quem gosta de ler aproveita todas as oportunidades para o fazer...e nem sempre são confortáveis! Enquanto esperamos por uma consulta médica...ou para sermos atendidos em algum serviço público!

O que interessa é ler!

 

 

Pág. 1/5