Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Redemption

Muito sobre nada! Ou nada sobre muito! Depende sempre da perspectiva de quem lê!!!!

Redemption

Muito sobre nada! Ou nada sobre muito! Depende sempre da perspectiva de quem lê!!!!

Coração de mãe sofre!

Me, myself and I, 11.08.21

O coração de uma mãe sofre horrores!

Na 2a feira o filhote foi de férias com um amigo!

Passados 2 dias já estou cheia de saudades dele. A casa parece vazia, falta o riso, falta a palavra "mãe" dita 500x por dia, falta o "barulho" constante, faltam os beijos e abraços, as brincadeiras e piadas secas!

Esta semana está a servir de estágio para o que se avizinha!

Em setembro vai estudar para o Porto e o meu coração está a ficar apertadinho.

Mas ainda não me deixei levar pela antecipação da saudade que vou sentir!

Mas há que deixá-los partir, levantar asas e voarem!

Deixá-los encontrar o seu próprio caminho!

Quando o filhote nasceu alguém me disse uma frase que ficou presa no meu consciente..."os filhos não são nossos..."! 

"Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
                                                 Ama também o arco que permanece estável."                                                 

Khalil Gibran

 

2 comentários

Comentar post